terça-feira, 22 de novembro de 2011

Mãe de dois - Camila Duarte

Estamos chegando perto da reta final da gravidez e surgem cada vez mais dúvidas e um frio na barriga básico para a chegada das meninas. Para tentar ficar mais tranquila e menos desesperada em relação ao dia de trazer duas bebês para casa, nada melhor do que pedir conselhos! Por isso, fui atrás da Camila Duarte, do Mamãe Tá Ocupada!!! Ela é mãe dos gêmeos Joaquim e Pedro, 3 anos, e de um menina linda, a Manuela, 4 anos, ou seja, é mãe de três! E dá ótimas dicas no blog sobre como lidar com a maternidade moderna e as implicações do dia a dia do século XIX. Amei as respostas que ela me enviou e até fiquei mais calma depois de ler tudo. Ufa! Veja como foi a experiência dela aqui:

077
Joaquim, Pedro e a irmã Manu

Quando e como você descobriu que estava esperando gêmeos?

Eu descobri que estava grávida durante uma viagem de Revéillon. Passei muito mal, fiz um exame de farmácia no mesmo dia e deu positivo. Detalhe: a Manu tinha 6 meses na época. Porém, ainda não sabia que eram gêmeos... Fui ao médico, ele me examinou, confirmou a gravidez e pediu um ultrasom. Fiz esse primeiro ultrasom, com apenas 5 semanas, com o mesmo médico que fez todos os da Manu. Ele logo nos reconheceu e disse que não esperava nos reencontrar tão cedo... Demos uma gargalhada e ele disse que ia tentar ver o nosso menininho, pois também lembrou que já tínhamos uma menina. Eu apenas respondi: "doutor, qualquer coisa, não importa, não sendo gêmeos, tá ótimo!". Outra gargalhada e assim que ele começou o exame, já vimos 2 coraçõezinhos batendo... Não dava nem para disfarçar ou se enganar, era óbvio e nítido. Ele nos deu os parabéns por serem gêmeos, eu tive um ataque de riso e o meu marido ficou lá parado, de boca aberta por alguns minutos...


Carregar dois é um desafio e também surreal, quais foram os melhores momentos e os mais desconfortáveis na sua gravidez gemelar?
O melhor momento foi certamente sentir a barriga crescendo e, por ser uma segunda gestação e gemelar, ela cresceu numa velocidade absurda! Sentir os meninos mexendo e tentar identificar joelhinhos, cotovelos e bracinhos também era uma delícia. Por outro lado, fiquei enorme e muito pesada, o que acabou restringindo e dificultando um monte de coisas que eu estava acostumada a fazer, principalmente cuidar da Manu, que ainda era um bebê e não andava. Isso foi bem chato e desconfortável!



Como estou no último semestre, preciso perguntar, como foram os últimos meses carregando dois e a preparação para o nascimento?
Os últimos momentos são realmente muito cansativos! A gente não tem mais posição para dormir, sente vontade de fazer xixi o dia inteiro, eu vivia mal-humorada, pois precisava de ajuda até para botar um sapato no pé! Aliás, só tinha um sapato, pois nada mais entrava no meu pé, ficou super inchado! As roupas não serviam mais, é uma fase difícil e chatinha. Ainda por cima, desenvolvi algum tipo de alergia nas últimas semanas. Até hoje não sei o que foi, mas eu tinha uma coceira muito forte nas pernas e na barriga o dia e a noite inteiros! Se já estava difícil dormir, ficou pior ainda! Falta de sono, mau-humor e coceira, que só passou depois do nascimento dos meninos. Eu não tive nenhuma preparação muito específica para o parto. Tinha a recomendação de fazer repouso e tentar levar a gestação adiante o máximo possível, já que estava acertado que seria uma cesárea. Então, a idéia era segurá-los na minha barriga pelo maior tempo que conseguisse, para que engordassem e se formassem direitinho. Joaquim e Pedro nasceram de 37 1/2 semanas, perfeitos e saudáveis. Joaquim com 3,210kg e o Pedro com 2,475hk. Dois meninões!!!


Joaquim abracando Pedrinho
Joaquim abraçando Pedro

Como foi seu parto e a chegada deles?
O parto em si foi muito tranquilo. O médico agendou a cesárea quando percebeu que eu estava no meu limite e que os meninos estavam prontinhos para nascer sem risco, mesmo sendo um pouco antes do tempo. De fato, não houve nada de errado com eles, nasceram muito bem e saudáveis, mas imediatamente após o parto, tive uma hemorragia muito séria em que se cogitou a retirada do útero ou uma transfusão de sangue. Isso aconteceu pelo fato de serem 2 bebês muito grandes! Então, o útero não contraiu e causou a hemorragia (atonia uterina). Eles ficaram ótimos desde o princípio, mas eu fiquei extremamente fraca e anêmica.

Qual foi a melhor dica que você recebeu desde que descobriu que ia ser mãe?
Acho que foi do primeiro pediatra que as crianças tiveram, de que precisamos estabelecer rotina para os nossos filhos. Ele tinha razão! Sou adepta e fã de rotina, mas se puder dar uma dica extremamente pessoal e contrária às dicas que esbarramos por aí o tempo todo, diria para que cada mãe tente ficar quietinha e ouvir os seus próprios instintos na hora de cuidar dos filhos e tomar decisões relacionadas a eles. Os instintos são muito sábios e podem nos ajudar bem mais do que os Google´s da vida!!!

Pedro e Joaquim 3 anos-2-42
Pedro e Joaquim


Muito se opinia e se discute sobre a amamentação de gêmeos, como foi essa experiência para você?
Infelizmente, não consegui amamentar os meninos. Tentei muito, mas não tive leite! Amamentei bastante a Manu, era uma verdadeira vaca leiteira, mas acho que a hemorragia e a anemia não me permitiram produzir leite. Logo depois que a minha situação do pós-parto estava resolvida e controlada, não me deixaram amamentar o Joaquim e o Pedro, disseram que eu havia perdido muito sangue, estava muito fraca e precisava me poupar. Então, eles já conheceram (e gostaram!) a mamadeira logo na primeira mamada. Eu não sei se isso é verdade, não tinha informação na época, mas depois que já estava reestabelecida, não tive nenhum pingo de leite, tentei botar os meninos no peito para estimular, mas eles nem pegavam, uma pena! Sinto muito por isso, mas na época, nem me dei conta ou fui procurar informação. Era uma loucura tão absurda, que eu não tinha nem tempo de pensar ou me preocupar....

010 (2)
Irmãos torcedores

Qual o seu conselho para as mães modernas de três?
Para ser uma mãe de 3 "sobrevivente", é preciso de muita organização e de rotina. Tem gente que não gosta e tal, mas faz toda a diferença a gente conseguir organizar as vidinhas dos filhos para que todos tenhamos uma vida minimamente controlada, organizada e previsível. Lógico que é difícil nos primeiros meses, mas vale a pena o investimento. Para nós e para eles, que se tornam crianças seguras e confiantes! Aceite sempre ajuda, tente confiar nas pessoas que estão a sua volta querendo ajudar e aproveite todos os mínimos momentos para fazer alguma coisa para si mesma, não importa se é tomar banho, dormir ou ver TV, escolha e faça, é super necessário!

4 comentários:

  1. Ai, adorei a participação e o prestígio todo! Espero ter ajudado e não te assustado com as minhas histórias...
    Obrigada pelo convite!
    Bjos,
    Camila
    www.mamaetaocupada.com.br

    ResponderExcluir
  2. Lindo post. Lindas crianças, tão raro a Camilinha postar fotos dos 3! Beijocas e boa sorte para ti. Vai dar tudo certo. Mariana

    ResponderExcluir