terça-feira, 5 de agosto de 2014

Mais sim, menos não

- Mamãe, queio lavá loça!

Ela aponta pra pia habitada por potes e algumas formas de bolo e já vai puxando o banquinho pra subir. Eu respiro fundo e penso: "ah, não vai fazer uma sujeira, vai molhar todo o chão da cozinha, não vai dar certo". Depois, em uma fração de segundo me vem o pensamento na cabeça: "por que não?". Se eu tivesse dois anos e amasse brincar com água não ia adorar poder mexer na pia da minha mãe? Por que não deixar ela se divertir e ainda incentivar um bom comportamento de querer limpar alguma coisa? Só pela bagunça? Então, eu disse, "tudo bem, Maria, mas sem bagunça, viu?" Já rindo da ordem que não ia se concretizar, mas não custa nada lembrar. Logo depois veio a Bella com outro banquinho e elas ficaram ali, mexendo na água, passando a esponja, derrubando água de um pote pro outro. Fiquei perto das duas, mas deixei elas brincarem sem ficar em cima. No fim, bastou passar um pano no chão para secar a água e pronto.

Untitled
Concentradas

Ultimamente tenho pensando muito sobre o que é realmente impor limite e o que é limitar. Em ensinar o que não pode porque não é certo ou perigoso, por exemplo ou porque "faz bagunça, você não vai conseguir ou vai dar uma trabalheira danada". Acho que na verdade eu sempre pensei um pouco nisso, seja quando elas eram bebês e queriam pegar nos objetos "proibidos" ou mesmo agora com dois anos onde elas estão se descobrindo através do mundo e expressando com tanta força seus desejos. E eu sempre tentei deixar as duas livres, queriam mais era que elas se desenvolvessem e explorassem tudo. Mas, como diz uma amiga "ser didática dá trabalho". E muitas vezes a gente ainda vem com uma carga educacional muito antiga que diz "nossa, mas esse menino/menina pode fazer tudo, mexer em tudo, que absurdo". E, convenhamos, essa "liberdade" fez com que as meninas ficassem curiosas, queriam mesmo mexer, fuçar e eu me sentia super mal achando que não estava educando minhas filhas direito porque elas mexiam em tudo. E, confesso que até hoje não tenho certeza absoluta. Oi, meu nome é Tatiana, sou mãe de três e tentando desesperadamente encontrar o equilíbrio.

Untitled
Bella passando geleia no pão

No fim das contas, eu tenho dito mais sim, do que não para as minhas meninas. E pro meu menino tb, por que não? Ele tem o peito a hora que quer e quando quer. E pra isso, estou me libertando. Me libertando dessas amarras de que pais tem que impor limites, tem que dizer não o tempo todo. Pois estou descobrindo que dizer sim também é educar, e muitas vezes é muito mais difícil, porque o não, impede. O sim, faz acontecer. Estou usando o sim como um caminho, para ensinar também. Pode ser que outros pensem "mas elas mexem em tudo! Como assim ela abre a geladeira e pega o que quer?". Pois é essa a realidade, pais e mães julgam outros pais e mães, acostumem-se. Assim como eu penso: "mas por que não deixa a criança brincar na areia? Se lambuzar com terra? Ou tomar banho de água fria da mangueira". E blá-blá-blá. Cada um escolhe seu caminho e tenho aprendido cada vez mais sobre isso.  Cada família tem seu esquema e esse tem dado certo por aqui.

Tenho dito sim para as meninas quando elas querem se servir sozinhas no almoço. Faz bagunça, de fato, mas é uma forma de incentivar as duas a comerem melhor e sentarem na mesa com a gente. E elas adoram se servir. Dose de paciência e desapego necessários. Eu acho que nunca fiz tanta negociação na minha vida como agora, é negociação para escolher roupa, tomar banho, comer e, o sim, faz-se necessário. Outra coisa que me quebra aqui é o "por favor", "obrigada" e "desculpa", a gente ensinou pra elas desde de sempre e elas usam muito. Como não tentar reforçar uma atitude positiva dessa? Pois é. Estamos descobrindo juntos. eu, Marco e meninas todas essas novas facetas de ter dois anos e vamos em frente.
Com muito amor e sim, por que não?

Untitled
Untando forma de bolo

6 comentários:

  1. Ai que saudade dos seus posts. Some não....

    Fabrina Dutra

    ResponderExcluir
  2. Sabe Tati ler isso me fez chorar.
    Eu acompanho você no Instagram e vejo sua familia, tudo tão natural e simples (mesmo sabendo que não é bem assim). Tenho somente um filho, um menino de 4 anos, e sempre quis dar uma educação livre pra ele, mas na prática não é bem assim. Moro com a minha mãe e irmão e não me casei com o pai dele, temos uma boa convivência, porém a intromissão de todos ao redor é o que mata.
    Choro por não poder fazer melhor, e por muitas vezes limitar meu filho por causa de terceiros.
    Lendo seu texto hj, vejo que meus pensamentos não são só meus e que existem pessoas que também pensam assim.
    Obrigada pelo texto e pelo conforto que achei nele.

    ResponderExcluir
  3. Tati, que post maravilhoso!!! Eu penso exatamente como você, mas acho que eu não saberia jamais me expressar tão bem... Minha filha tem 2 anos e 1 mes e eu tb sou mt criticada por não dizer não para ela. Mas sabe, não acho que a minha vida ou a dela sejam facilitadas com isso!! É bem como você disse, pois na hora que a gente diz o "sim" muito mais coisas acontecem. Ela ama lavar louça tb, pega o banquinho sozinha para subir na pia e tudo! Uma graça! Finais de semana eu deixo ela fazer a maior bagunça na sala, coloco uma piscininha com água (é micro) para as bonequinhas e ela se diverte... Imagina se vou dizer não só para ela ficar quietinha e não dar trabalho ou mesmo porque não pode isso e aquilo. Não pode para nós, adultos, oras. Ela é uma criança, tem que correr, pular no sofá, brincar e se sujar e é assim que eu acho que ela vai construindo a independência dela e aprendendo. O meu limite é o que faz mal para ela, então nessas horas eu tento intervir mesmo, por exemplo: para escovar os dentes, por na cadeira do carro, etc. O resto, ah se for possível, vai fazer mesmo. O duro é que meu marido nem sempre concorda, então venho tentando mostrar para ele esse outro caminho.
    Acho também que crianças não são todas iguais e tem personalidades e temperamentos muito diferentes. Minha filha sempre foi muito curiosa e desde muito bebezinha eu nunca pude deixá-la parada para fazer alguma coisa. Ela nunca aceitou, por ex, cadeirinha que treme ou algo assim. Eram 2 minutos e ela já começava a chorar pra sair. Ela sempre quis ver onde eu estava ou o que eu estava fazendo e até hoje é assim. Às vezes é cansativo, claro, mas acho que é assim que ela vai crescendo e eu vou percebendo o quanto é importante pra ela não limitá-la. bjs Tati

    ResponderExcluir
  4. Ai que coisa linda! Como elas parecem felizes! A mim, parece que é assim que se cria pessoas independentes e bem resolvidas do que querem. E sabe o que é mais estranho na vida: os adultos impedem as crianças de fazer tudo, aí um belo dia uma criança completa 15 anos e todo mundo quer que ela passe a fazer tudo. E aí começa outro julgamento, se ela não faz as coisas, de que é um adolescente preguiçoso. Vai entender! Vc não me conhece mas adoro seu blog!
    Bjs,

    Lívia

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto Tati,mas confesso que essa torneira aberta,gastando horrores de água, na foto me incomodou.

    ResponderExcluir