quinta-feira, 2 de maio de 2013

Amor dobrado

Para futuros pais de gêmeos ou não:

Na semana passada, um texto polêmico escrito por um futuro pai de gêmeos causou comoção nos EUA e entre aqueles que tem uma vida múltipla. O pai, que preferiu permanecer anônimo, escreveu com uma sinceridade bruta sobre como ele e a mulher estavam decepcionados e tristes por estarem esperando gêmeos e chegou a comparar o fato com a mesma situação de alguém que tem câncer terminal e "fica esperando pelo pior". Eu sei, pasmem! Nos comentários alguns aplaudiam a sinceridade, outros tentavam convencê-lo de que não era esse bicho de sete-cabeças e outros ficaram revoltados. Eu acho que me encaixo no último grupo. Eu entendo o medo do desconhecido e do fato de cuidar de dois bebês ao mesmo tempo, mas também não entendo por que tanta gente tem medo de dois bebês. Sério. Sim, é trabalhoso, não é fácil, mas aquele clichê prevalece: trabalho dobrado, amor dobrado. E acho que todos nós temos o poder de nos adaptar, de ir além dos nossos limites pelos nossos filhos. Seja um, dois, três, quatro, cinco, quantos tiverem que ser. Tudo depende de como você vai encarar este desafio. E acho que este é o problema desses futuros pais do artigo, ainda que no fundo eu sinta mais pelas crianças que não pediram para nascer e não tem culpa de tudo isso, mas enfim não quero entrar neste mérito ou falar sobre isto neste post... Apenas, tentar aconselhar outros futuros pais.

foto(8)
Bella e Maria "fazendo carinho"

Quando as meninas nasceram foi como se uma avalanche tomasse conta da nossa vida. Eu e o Marco percebemos bem rápido que a nossa vida não seria nunca mais a mesma (e isso por si só já é um processo) e que nada seria fácil. Eu costumava me comparar com outras pessoas, chegava a pensar "como será com um bebê só?" e depois me sentia culpada e tudo ficava ainda pior. Durantes os primeiros meses pensei muito nisso em como seria diferente com um bebê só, em como estava cansada e como aquela trabalheira toda seria para sempre. Mas não foi. Vou ser sincera: o começo é difícil porque a gente não tem o retorno, o amor dobrado não chega como esperado, são apenas dois bebês que precisam de você. Mas depois o amor dobrado chega e ele é arrebatador.

Não me esqueço de uma noite em que estávamos os dois cansados, acho que Maria e Isabella tinham uns quatro ou cinco meses, era 1 da manhã e elas não queriam saber de dormir e já tínhamos tentado tudo. Então, sentamos as duas no trocador e eu comecei a contar uma história pro Marco e elas coemeçaram a dar garagalhadas juntas. Pela primeira vez e muitas, rindo juntas. E nós dois chorando como loucos! E foi a mesma coisa quando elas se olhavam e davam risada uma pra outra e agora, entramos numa linda e bela fase. Depois de alguns meses de briga entre as duas, agora começou a fase dos abraços. Elas me abraçam, aquele abraço gostoso de criança e se abraçam. Ontem, eu disse: "Bella dá uma abraço na Maria". E lá foi ela agarrar a irmã. É claro que chorei de novo. E desde então o abraço flui aqui em casa e não há nada melhor.

foto(9) Finalmente, a fase do abraço

São nesses momentos que você percebe que sim, ter múltiplos é trabalhoso, mas tão compensador. São nesses momentos, o do trabalho e do amor, que você percebe que tem algo especial, não melhor ou pior do que os outros, mas diferente. E sim, você vai ficar menos cansada com o tempo, vai sim conseguir dormir a noite inteira, vai conseguir relaxar num domingo à tarde, fazer sexo de novo, comer uma refeição inteira sem interrupções e vai poder fazer parte de um laço inquebrável, uma experiência que poucos na vida consegue viver. E, que sim, tudo vai valer muito a pena.

foto(6) Amor de irmã

Outros conselhos para futuros pais de gêmeos? Tem aqui e aqui 
E também um artigo muito bom na Babble com 10 dicas para os novos membros do clube de múltiplos

11 comentários:

  1. ah que delícia de texto!
    realmente, alguns pais têm a sensação de que ter gêmeos é um castigo, eu já vi e ouvi isso algumas vezes. Tenho uma filha, de 2 anos e 4 meses e não consigo imaginar como seria se tivesse outra. Quanto amor! Quanto orgulho! Quanta vida! Quantos sorrisos, abraços e carinhos!
    Nossa, tudo em dobro....
    Paremos de pensar no lado do trabalho, do cansaço, da gravidez de gêmeos, dos "problemas" em ter gêmeos. Pensar fora da caixinha de vez em quando é bom e o seu texto fez isso comigo!
    Seria ótimo se eu tivesse a oportunidade de sentir tudo isso em dobro! =)
    Beijos!
    As meninas são lindas!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa eu me sinto muito especial e abençoada por estar esperando gêmeos, já tenho um menono e depois dele tive 3 perdas, foi muito difícil, agora quando engravidei novamente e descobri que eram 2 me senti de alguma forma recompensada por tudo que passei, na hora dá um susto, meu marido ficou mudo.... mas logo ficou feliz também, ainda estava muito preocupada, pensando se dessa vez daria certo, rezei muito e tentei pensar que se Deus me deu esse presente é porque eu mereço e vou ser capaz de cuidar bem deles!!!! Hoje de manha fiz o ultrassom morfologico do 1 trimestre e es'ta tudo bem com eles, foi a melhor notícia dos ultimos tempos!!!!
    Ter filho dá trabalho,o meu era um só e deu muito trbalho, fiquei sem dormir direito sem comer direito, mas tudo passa e é maravilhoso! Quem não quer ter trabalho e dedicar seu tempo e amor não deve ter filhos!!!

    ResponderExcluir
  3. Que gostoso ler sobre as meninas... tenho irmã gêmeas e via elas darem mto trabalho para os meus pais, que nunca reclamaram.. mas eu, até começar a ler sobre suas meninas, não queria ter gêmeos... agora eu já quero! =)

    ResponderExcluir
  4. Chorei! Assino embaixo de cada palavra! E sei que muito mais está reservado pra nós!! Sou muito mais feliz com a minha dupla! :)

    ResponderExcluir
  5. eu chorei! sem ter gêmeos, sem ter filhos, e sem planos de filhote de gente (independente da qtde).
    obrigada por compartilhar esses momentos. sério mesmo. essas meninas fazem sorrir até quem não as conhece. <3

    ResponderExcluir
  6. Lindo, lindo, lindo <3
    não tem como não amar!!!
    =)

    ResponderExcluir
  7. Esses pais que você mencionou no texto certamente não possuem desejo de ter filho. Espero que o desejo por essas crianças brote ao longo desses 9 meses, que eles se permitam ressignificar a vinda desses filhos, deviam procurar uma terapia pra evitar/prevenir danos.
    Ter filhos muitas vezes não é um desejo consciente, mas muitas vezes descobre-se latente.
    Parabéns pelas filhas e pelo seu desejo tão grande por elas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. ah Tati. Que bom que você fez esse post. Por causa da minha dupla, eu já chorei de tanto cansaço, mas também chorei de felicidade. Tenho certeza que grande parte dessa tristeza e cansaço excessivo do início (pelo menos da minha parte) é da inexperiência, pais de 1a viagem. Realmente no início parece essa coisa sem fim, sem luz no fim do tunel, de simplesmente cuidar de 2 bebês (e aprender tanta coisa da maternidade ao mesmo tempo). Agora, com minhas crianças para completarem 6 meses, é tão bom poder aproveitar os momentos de felicidade deles... quando eles acordam sorrindo, quando fazem uma gritaria de felicidade, quando gargalham por qualquer bobagem. Tudo sempre um aprendizado, onde primeiro existe o sacrifício e depois a recompensa. :)

    ResponderExcluir
  9. Como foi bom ler isso!
    É oq ue eu digo, amo quando me deixam ciente das coisas. Amo saber do que vem a frente por pior que seja.
    Acho que a descoberta de gêmeos é uma mistura de sentimentos, a felicidade é grande é, mas o medo também é. Porque quem vai passar e passa é a gente.
    Acho que o sentimento de culpa, vem. Não sei porque.
    Além da descoberta dos gêmeos, quando descobri o possível diagnóstico do Dudu, fiquei sim, me sentindo "culpada". mas não sei explicar também. mas como o passar do tempo a gente consegue lidar melhor com tudo, e tudo fica bem!
    Só temos que ter muita paciência ne?!
    E a paciência que digo, não é com eles, é com a gente mesmo.
    Queremos ser super heróis a todo custo e não respeitamos nossos limites.

    Mas muito obrigada por ter escrito tão bem os sentimentos que passamos!

    Quando eu crescer quero ser igual você tati! hihihi


    beijokassss



    ResponderExcluir
  10. Eu sou futura mãe de gêmeos idênticos e desde q descobri q são gêmeos, venho lendo seu blog. Bjs.

    ResponderExcluir